sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

A justificação do estado laico

Por Bruno Coelho*


No seu último livro “Religião para Ateístas”[1], o filósofo pop, Alain de Botton elabora uma série benefícios que as religiões monoteístas trazem consigo, e que não são óbvios ao se debater a existência de Deus. Entre os benefícios, podemos encontrar a senso de comunidade, a arte, Porém, algo que não percebo no livro, é sua posição quanto a intervenção de instituições religiosas na tomada de decisões políticas dos países. Por este motivo, gostaria de expor o que considero ser uma justificação mínima para a defesa do estado laico.

Afirma-se por vezes que a relação entre igreja e estado é algo importante para um país ou região, pois ainda que em certos casos – como o nosso – não se saiba ao certo como ocorre a influência entre ambos, que em princípio, deveriam estar separados. Isto é, a organização e funcionamento do poder judiciário deveria seguir sem intervenções ou influências diretas de qualquer instituição religiosa,. Não porque isto seja algo intrinsecamente mal, mas sim porque caso seguisse, os juristas não estariam sendo imparciais, como se propõe a constituição. Disso se segue que uma instituição religiosa só estaria justificada juridicamente em intervir na vida das pessoas, se ela própria tivesse criado as leis. Em casos onde não há clara sugestão desse direito, sua intervenção deve ser tomada no mínimo, como ilegal.

Além disso, uma lei jurídica é uma regra criada para solucionar algum problema social que esteja impedindo o bom convívio das pessoas, e não algo que deva uma doutrina estabelecida. Sendo assim, temos de expor quais as consequências negativas se seguem da presença de um estado com influências religiosas. Citei algumas anteriormente, no entanto, há outros aspectos importantes. Por exemplo, pessoas que cultivam outras religiões que não aquelas as quais os representantes defende ,tendem a ser julgados de forma diferente do que alguém com uma formação cristã. E isto se estende para todas as esferas de intervenção, desde o governo federal, até ao policial comum.

Poderia-se, contudo, afirmar que é melhor que um país cristão tenha influências cristãs entre seus representantes. Todavia, precisaríamos de uma justificação adicional para isto, porque a pessoa está a pressupor a superioridades do comportamento dos cristãos. Ora, esta é uma questão factual que pode ser respondida atentando para o comportamento das pessoas com outras religiões. Do fato de alguém ser budista ou islâmico, não se segue que ele age de forma incorreta na maioria das vezes, ou que seu sistema de valores em que este esteja seja condenável, mas nem por isso devemos adotá-lo como regras de convívio, porque a partir do momento em que for adotado, pessoas de outros segmentos religiosos irão sair prejudicados.

Se conclui desta digressão e não que é óbvio a superioridade deu um estado com influências religiosas, do que um laico. Deste modo, para que possamos justificar um estado não laico, teríamos de provar como os valores de uma doutrina ou religião são benéficos para generalidade das pessoas. Algo que considero um tanto difícil de ser feito.




*Graduando em Filosofia pela Universidade Federal do Pará; membro da Aliança Estudantil Secularista Pará e Observatório do Estado Laico Pará.

quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

Observatório do Estado Laico Pará (reunião adiada)

Hoje infelizmente não tivemos reunião do Observatório devido ao estado de saúde debilitado de nossa coordenadora (Ábia Costa).
Pedimos desculpas pelo aviso de última hora.
A reunião será quinta-feira que vem, dia 07/02, às 15hs no Bloco Ab - UFPA Campus Guamá.
Quem quiser o texto que será discutido, basta enviar e-mail para aespa@lihs.org.br solicitando o texto.

Obrigada pela compreensão de tod@s

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Atividades da AES Pa 2013

Já retomamos nossas atividades em 2013 e agora além das reuniões quinzenais na Praça do Horto, teremos a novidade do Observatório do Estado Laico Pará, que funcionará também quinzenalmente no campus da UFPA no Guamá.

Sintam-se convidados a participar de nossas atividades.

Contatos: aespa@lihs.org.br

Reunião na Praça do Horto, no dia 19/01/2013


Observatório do Estado Laico Pará, reunião dia 17/01/2013, no Bloco Ab - UFPA (Campus Guamá)

terça-feira, 25 de dezembro de 2012

Então é NewTal...




“Este 25 de dezembro marca o 361º aniversário de nosso salvador científico, Sir Isaac Newton, e como é tradição, presentes de aniversários caem bem. Já que o menino aniversariante já não está mais conosco, recomenda-se que você troque presentes com amigos e membros da família.” – E-skeptic

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

Maratona de Cartas da Anistia Internacional

Ocorreu em Belém nos dias 11 e 12/12/2012, no campus da UFPA a Maratona de Cartas da Anistia Internacional.

Em todo o mundo milhares de pessoas se reúnem ao redor do mundo,para escrever denunciando casos de violação de Direitos Humanos.

A campanha "Escreva por Direitos" acontece todos os anos, este ano acontece em cinco capitais: São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba, Belém e Manaus dos dias 07 à 16/12/2012 - ou seja em algumas capitais ainda está em curso.

A Anistia Internacional é considerado o maior movimento do mundo em defesa dos Direitos Humanos, presente em mais de 150 países, reúne mais de 3 milhões de membros, apoiadores e ativistas, em uma busca incansável por justiça.

"A visão da Anistia é que cada pessoa possa desfrutar de todos os direitos consagrados na Declaração Universal dos Direitos Humanos e outras normas internacionais de direitos humanos"
Independente de qualquer governo, ideologia política, interesse econômico ou religião, a Anistia tem como missão: "Juntos pelos Direitos Humanos e unidos contra a injustiça"

Para conhecer melhor a Anistia Internacional, acesse http://anistia.org.br/ 

Maratona de Cartas 2012 - Belém










Mais fotos na nossa GALERIA




sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

Vídeos da Maratona de Cartas

Para você compreender melhor sobre os casos de violação de direitos humanos que estamos defendendo na Maratona de Cartas 2012; a Anistia Internacional preparou alguns vídeos para divulgação e incentivo em defesa dos Direitos Humanos.

Lembrando que a Maratona de Cartas acontece em Belém nos dias 11 e 12/12, das 9hs às 17hs, na UFPA-Campus Profissional-3º portão

1. Caso de Nilcilene de Lima, Brasil. Defensora de direitos humanos em situação de risco. 




2. Caso de Alexandre Anderson, Brasil. Defensor de direitos humanos em situação de risco 





3. Caso dos Moradores de Bodo, Nigéria. Caso de responsabilidade de empresas: a Shell é responsável por inúmeros vazamentos de óleo que levaram à destruição do ambiente no delta do rio Niger destruindo o meio de vida de mais de 100 mil pessoas 




4. Caso de Gao Zhisheng, China. Caso de violação do direito à liberdade de expressão 




 5. Caso de Hussan Salem Mohammad Almerfedi, nos EUA. Detenção ilegal em Guantánamo por mais de 10 anos sem qualquer acusação 








4. Caso de Azza Hilal Ahmad Suleiman, Egito. Caso de violência do exército 


Mais informações: Anistia Internacional Brasil